Misha Bies Golas, À Modo de Conclusion

Quinta, 20 Setembro, 2012 - 16:00

À Modo de Conclusión

Misha Bies Golas (Espanha)


Um projecto do ESPAÇO MÚLTIPLO | Carpe Diem

 
Misha Bies Golas (Lalín, 1977) expõe pela primeira vez em Lisboa A Modo de Conclusión, um exercício de apropriação sobre a fachada do Palácio Pombal, sede do centro de produção de arte contemporânea Carpe Diem Arte e Pesquisa.

A peça, um exercício de apropriação que reproduz as páginas de um livro dos anos sessenta que inesperadamente chegou às mãos do artista, apresenta-se numa edição numerada de 13, com 49 folhas em preto e branco em formato A3, com capa e contracapa, presas com molas e empacotadas em vácuo.

Considerando a sua vigência, Bies Golas conserva desta forma o conteúdo de um estranho documento, cujas máximas se centram nas voltas da religião e no existencialismo (“El hombre verdadero se resiste a la manipulación”; “La existencia de Dios no se «decide» por mayoría de votos”), operando simultaneamente um décalage em relação às imagens de arquivo procedentes da cultura popular que as acompanham.

Esta peça, exibida anteriormente no CGAC (Santiago de Compostela, 2012) apresenta-se agora sob uma nova montagem, afixando as folhas directamente sobre a fachada principal do Palácio Pombal, edifício sede do centro de produção de arte contemporânea Carpe Diem Arte e Pesquisa.

A intervenção, a modo de cartaz panfletário – que reclamou rapidamente a atenção dos transeuntes e vizinhos da Rua de O Século - consistiu em alinhar as 49 folhas à altura dos olhos, criando uma cadência ao longo da fachada até a entrada do prédio, rematada com a última folha, a contracapa com um círculo vermelho e as iniciais MBG, assinatura inconfundível do artista.

Destacam-se dois aspectos relevantes: de um lado, o trabalho de adaptação a um espaço semipúblico, a fachada do centro de arte que, longe de impedir, apoia esta ação. Do outro, a economia e a portabilidade da peça (em forma de pasta) que não são senão indicadores de um posicionamento de produção constante face à adversidade imperante na prática artística contemporânea.

Contradizendo o ditado português “De Espanha, nem bom vento nem bom casamento”, esta apresentação de Misha Bies Golas na capital portuguesa é, decididamente, mais uma aposta em estratégias de colaboração e divulgação entre países vizinhos para o vento soprar a favor.

Neste caso, A Modo de Conclusión é só um começo.

 

Texto: Laura Pérez Pastor

Toggle collapsible region

desenvolvido por white imago