Notícias

Carpe Diem Collection Editions Tour | New York City

New York City - 14th and 21st November 2015

Carpe Diem Art & Research is pleased to invite you to an upcoming event in in New York City - a presentation of our newest Editions as well as many others produced over the past 7 years at a salon hosted by partner Jennifer McGregor, Director of Arts and Senior Curator at Wave Hill. All of the editions are the work of resident artists who have worked and exhibited in Palacio Pombal, our home in a 16th century, palace in the heart of Lisbon. Please come and visit this salon and open house and learn about our non-profit project. You will also have a chance to meet Lourenco Egreja, who directs the organization as well as several artists who are part of the collection. All proceeds from the reasonably priced, print sales support the incredible work that Carpe Diem is doing with artists from Portugal, Brazil and many other countries at their home base in Lisbon.

91 Payson Avenue, 7D, in “Up-State Manhattan” or InwoodThe building entrance is on Beak St. one block north of Dyckman between Seaman & Payson.
Travel: A or #1 train to Dyckman Street, just off the Henry Hudson Parkway, Dyckman Street exit.

Portuguese artist makes wire animal sculptures that look just like sketches

David Oliveira’s artworks may look like scribbled ink sketches but in fact, the Portuguese artist makes his delicate animal sculptures from wire.

The Lisbon-born sculptor enjoys using wire for its “easy and spontaneous” qualities and has exhibited around the world from Spain and Turkey to the USA and Japan.

He works as close to natural scale as possible but has also explored smaller, more fragile subject matters including grasshoppers, snails, spiders, bees and dragonflies.

Oliveira, 35, began experimenting with wire after completing a Sculpture degree with a speciality in ceramics in 2008. He went on to take a masters course in artistic anatomy, focusing on drawing, and life became his common theme. 

“Inspiration for what I choose to represent comes from many different places but in the main I am inspired by drawing,” he told the Huffington Post

To appreciate Oliveira’s sculptures properly, viewers must study them from the correct angle and watch the shapes come alive. He plays on optical illusion and encourages art fans to fill in the gaps with their imaginations. 

The sculptures appear as 3D up close but resemble flat pages in a sketch book from a distance. Oliveira has also created some beautiful human sculptures, seen on his website here.

In independent.co.uk

Jeanine Cohen e Javier Fernandez

A Sala de Leitura Paulo Reis recomenda o catálogo de uma das nossas artistas, Jeanine Cohen, quem participou no 10º Programa de Exposições do Carpe Diem Arte e Pesquisa. 

Este catálogo foi publicado em conjunto com a exibição binomial de Jeanine Cohen e Javier Fernández na Galeria BWA Contemporary Art em Katowice, Polónia, durante 2014.

 

Outros livros da mesma autora na nossa colecção: Jeanine Cohen

Rodrigo Oliveira. Uma Pequena Reviravolta

A Sala de Leitura Paulo Reis recomenda o livro de um dos nossos artistas, Rodrigo Oliveira, quem participou no 5º Programa de Exposições do Carpe Diem Arte e Pesquisa.

Este catálogo, baseado no trabalho do artista, foi publicado pela galeria Filomena Soares em 2008.

 

Outros livros do mesmo autor na nossa colecção: Com quantas pedras se faz uma jangada

Degustação e exposição de Gin

Sexta, 30 Outubro, 2015 - 18:00

A equipa do Elephant Gin vem ao Carpe Diem dar a conhecer o seu gin artesanal com inspiração em África. Nós convidamos a vir provar estes sabores únicos e cuidadosamente preparados.

 

Elephant Gin is a premium artisan dry gin, handcrafted and distilled in Germany, inspired by Africa and in support of African Elephant conservation. Made with carefully selected ingredients to capture the essence of Africa and bottled at 45% alcoholic volume. 

Inspired by the pioneering spirit of 19th century explorers and the botanical discoveries they made, Elephant Gin is produced for adventurers and travelers of today. 

Elephant Gin and its founders are passionate about elephant conservation and strongly believe that the current generation has a responsibility to support the African wildlife of today, so others may continue to enjoy it in the future. By contributing 15% of its profits to Big Life Foundation and Space For Elephants, Elephant Gin takes an active part in supporting the foundations' activities. 

30 animais que parecem desenhados no ar

Se lhe parecer que um desenho a lápis ganhou vida a três dimensões, isso é... uma obra de David Oliveira. Estas esculturas em arame podem ser visitadas até 18 de dezembro. Veja algumas na fotogaleria.

Ao contrário de outros, menos afortunados, que continuam a ser artistas no arame, David Oliveira tornou-se um artista do arame. E se é certo que todo o artista pretende deixar uma marca, no caso dele não há dúvida de que o objetivo foi atingido: as suas obras têm um traço bem reconhecível. E aqui traço não é uma metáfora para dizer estilo: é que os seus trabalhos parecem mesmo desenhos a lápis feitos no ar. Porém, são esculturas. Ou instalações. O nome é o que menos importa.

David Oliveira tem 35 anos e há sete que se dedica a criar estes curiosos objetos. “O que me atraiu no arame foi a capacidade de gerar uma linha, livre, que se pudesse movimentar no espaço tridimensional”, explicou ao Observador.

 

Assume-se como um artista visual. Licenciou-se em Escultura (na Faculdade de Belas-Artes, em Lisboa), especializou-se em Cerâmica e fez o mestrado em Desenho e Anatomia Comparada (Animais). Depois deu aulas, trabalhou no teatro (como técnico, aderecista e cenógrafo) e há três anos que vive apenas da sua arte. O sonho de uma vida para muitos, alcançado por ele aos 32 anos.

 

 

Intitulada ‘Movimento Total’, a exposição que agora está patente no Palácio Pombal (à Rua de O Século, 79, em Lisboa) evoca o movimento do Homem no espaço mas também no tempo: a sua evolução enquanto espécie. Ele é o último elo da cadeia. No entanto, não há aqui figuras humanas representadas, o que foi intencional. “É uma forma de pensar o Homem através dos animais que partilham a sua história no planeta. Eles são as testemunhas da nossa passagem”, afirma David.

E assim, espalhada por duas salas da exposição, surge uma autêntica família numerosa de animais saídos das suas mãos. David explica: “Através do uso de arame e de poliamida (tule) evoco 18 espécies. Construo-as de dentro para fora, partindo da premissa evolutiva que todo o organismo natural deriva de um anterior, e de que o movimento é o motor da biodiversidade.”

Entregue aos bichos

A exposição divide-se entre o habitat aéreo e o aquático. Na escadaria da entrada encontramos os pássaros: a coruja, o papagaio, o tucano, o cisne, o pato, a cegonha, o abutre e uma garça. Suspensos no ar e representados em pleno voo. Na sala do fundo, as criaturas marinhas: o peixe vela, o atum, as medusas, as douradas, o carapau, a raia, o polvo e até uma foca grávida. Todos eles à escala, em tamanho real.

david oliveira, movimento total,

Dar asas à criatividade: esculturas de aves, num movimento suspenso, feitas de arame

Este projeto surgiu após nove meses de gestação, durante os quais David Oliveira teve um ateliê em permanência no edifício onde agora expõe o resultado do seu trabalho. Algumas peças terminou-as num só dia, outras numa semana e houve até as que demoraram um mês. “Cada peça apresenta o seu desafio”, explica. “Pode ter a ver com a estrutura, a composição ou a lógica…” Mas o verdadeiro desafio, confessa, está em conseguir passar a mensagem.

Por exemplo, quando comecei a fazer os pássaros, a minha irmã perguntou-me se aquilo eram dinossauros. Fiquei delirante.”

 

Através destas figuras, David Oliveira propõe uma forma de a arte se relacionar com questões atuais, como as alterações climáticas e a perda de biodiversidade. Defende “uma arte de propaganda, cujos ideais falem de ética, respeito e educação”.

A inspiração vai buscá-la a “todos os homens e mulheres que acreditam em ideais e lutam por eles”. “Estou a falar dos que conhecemos: Leonardo Da Vinci, Martin Luther King, Rosa Parks, Gandhi, Steve Jobs, Malala Yousafzai, Nelson Mandela; e dos que desconhecemos mas que fazem do mundo um lugar melhor”, afirma.

David Oliveira vai traçando os seus desejos para o futuro. Quer expor os seus animais aquáticos no Oceanário e os pássaros no Museu de História Natural. E, acima de tudo, gostaria de ver os seus trabalhos “em sítios públicos, acessíveis a todos, pobres e ricos, crianças e velhos”. E conclui: “Acredito que a arte deve fazer parte da vida.”

 

 

In: Observador por Catarina Sacramento, fotografia de Hugo Amaral

Temps D´Images arranca hoje em Lisboa

A 13.ª edição do Temps D´Images começa esta quarta-feira, dia 14, com “Amor e Política”, uma palestra/performance de Maria Gil e Miguel Bonneville, na Negócio ZBD. Este é um dos 23 espetáculos que o certame vai apresentar até 24 de janeiro.

Segundo a programação, este festival – com caráter experimental e transdisciplinar, que privilegia espetáculos que cruzem as artes do palco com as da imagem – envolve 26 artistas e 13 programadores.

Conferências e competições de cinema e de artes performativas também fazem parte de um programa que reúne projetos da dança ao teatro, dos estaleiros criativos ao cinema e instalação.

Ágata Pinho, Alexandre Pieroni Calado, Andresa Soares, Barbara Matijevic, Capicua, Carlota Lagido, Elmano Sancho, Giuseppe Chico, Gustavo Ciríaco e Joana Pimenta são alguns dos artistas que participam nesta edição.

Entre as novidades está a edição inaugural do Loops.Lisboa – Artes Visuais – Cinema e Vídeo, com a apresentação de três de entre mais de uma centena de obras recebidas: “O Retrato de Ulisses”, de João Cristóvão Leitão, “Travel Shot”, de Francisca Manuel e Elizabete Francisca, e “Cascade”, de João Pedro Fonseca, a ser exibidos no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado.

Nesta edição, os espetáculos vão ser apresentados em 16 espaços da capital: Teatro Nacional D. Maria II, São Luiz Teatro Municipal, Maria Matos Teatro Municipal, Teatro da Politécnica, Espaço Alkantara, Cão Solteiro, Centro Cultural de Belém, Clube Estefânia, Museu do Chiado, Carpe Diem Arte e Pesquisa, Universidade Católica, LX Factory, Negócio ZBD (Zé dos Bois), Teatro Taborda e Appleton Square.

Consulte a programação aqui.

In MoveNotícias

Novo Programa de Exposições

O Carpe Diem apresenta, entre 19 de Setembro e 19 Dezembro de 2015, um conjunto de obras inéditas dos artistas Bruno Vilela (BR), Daniela Krtsch, David Oliveira, Luísa Jacinto, Paula Scamparini (BR), Pedro Palma, Pedro Pires & João Dias, resultantes do programa de residência. São obras de carácter instalação que remetem para uma estreita relação com o Palácio Pombal e a sua história.

Vacuum Days de Tim Etchells

A Sala de Leitura Paulo Reis recomenda o livro de um dos nossos artistas, Tim Etchells, quem participou no 16º Programa de Exposições do Carpe Diem Arte e Pesquisa como Artista da Cidade 2014.

No livro Vacuum Days, baseado no projeto online do artista, Etchells explora o sensacionalismo dos media e contorna o território da disfuncionalidade contemporânea: desde o terror que provocou a Gripe Aviaria até ao casamento real da Coroa Britânica, desde o assassinato do Osama Bin Laden e o despertar da Primavera Árabe até à morte bizarra do Michael Jackson.

 

Outros livros do mesmo autor na nossa colecçâo: While You Are With Us Here Tonight

Liene Bosquê participates in greater New York at MoMA PS1

art:i:curate artist Liene Bosquê participates in the fourth edition of the exhibition series entitled 'Greater New York' at MoMA PS1 in New York.

This exhibition series started as a collaboration between MoMA PS1 and the Museum of Modern Art in 2000. Recurring every five years, the exhibition has traditionally showcased the work of emerging artists living and working in the New York metropolitan area.

'Greater New York' arrives in a city and art community that has changed significantly since the first version of the survey. With the rise of a robust commercial art market and the proliferation of art fairs, opportunities for emerging artists in the city have grown alongside a burgeoning interest in artists who may have been overlooked in the art histories of their time. Concurrently, the city itself is being reshaped by a voracious real estate market that poses particular challenges to local artists. The speed of this change in recent years has stoked a nostalgia for earlier periods in New York—notably the 1970s and 1980s, and the experimental practices and attitudes that flourished in the city during those decades. Against this backdrop, 'Greater New York' departs from the exhibition's traditional focus on youth, instead examining points of connection and tension between our desire for the new and nostalgia for that which it displaces.

Bringing together emerging and more established artists, the exhibition occupies MoMA PS1’s entire building with over 400 works by 157 artists, including programs of film and performance. Considering the 'greater' aspect of its title in terms of both geography and time, 'Greater New York' begins roughly with the moment when MoMA PS1 was founded in 1976 as an alternative venue that took advantage of disused real estate, reaching back to artists who engaged the margins of the city. Together, the works in the exhibition employ a heterogeneous range of aesthetic strategies, often emphatically representing the city’s inhabitants through forms of bold figuration and foregrounding New York itself as a location of conflict and possibility.

'Greater New York' is co-organised by a team led by Peter Eleey, Curator and Associate Director of Exhibitions and Programs, MoMA PS1; and including art historian Douglas Crimp, University of Rochester; Thomas J. Lax, Associate Curator, Department of Media and Performance Art, MoMA; and Mia Locks, Assistant Curator, MoMA PS1.

The exhibition will open on the 11th of October and will run until the 7th of March 2016.

in ART:I:CURATE, 6 Oct. 2015 by ART:I:CURATE TEAM

Pages

Toggle collapsible region

desenvolvido por white imago